sábado, dezembro 14, 2013

Tyrion: um leão com fogo de dragão



Meu aluno Paulo Zab, o maior especialista em Guerra dos Tronos que conheço, ataca de novo. Agora ele me enviou um texto sobre Tyrion Lannister. Confira. 
 
Tyrion Lannister, o Anão também conhecido como Meio-homem, Duende, Yollo e Hugor Hills é um dos personagens preferidos da série. Seu humor negro e sua inteligência notável compensa sua falta de aptidão física para algumas tarefas. Apesar de ser considerado um leão, suas atitudes podem estar sendo influenciadas pelo Sangue e Fogo, símbolo da Casa Targaryen, mas por que?


Relação Aerys e Joana

— E o meu pai? [perguntou Daenerys] Houve alguma mulher que ele amasse mais que à sua rainha?
Sor Barristan mexeu‐se na sela.
— Não… amar não. Desejar talvez seja uma palavra mais correta, mas… foi sómexericos de cozinha, os murmúrios de lavadeiras e moços de estrebaria…
— Quero saber. Nunca conheci o meu pai. Quero saber tudo sobre ele. O bom e… o resto.
— Às vossas ordens. — O cavaleiro branco escolheu as palavras com cuidado.
— O Príncipe Aerys… quando jovem, enamorou‐se de uma certa senhora de Rochedo Casterly, uma prima de Tywin Lannister. Quando ela e Tywin se casaram, o vosso pai bebeu demasiado vinho no banquete de casamento, e ouviram‐no dizer que era uma grande pena que o direito do senhor à primeira noite tivesse sido abolido. Um gracejo ébrio, não passou disso, mas Tywin Lannister não era homem para esquecer tais palavras ou o… excesso de familiaridade que o vosso pai mostrou quando os noivos foram levados para a cama. — A cara de Sor Barristan enrubesceu. — Já disse demasiado, Vossa Graça. Eu…
(A Dança dos Dragões)

Daenarys conversa com Sor Barristan Selmy, que foi cavaleiro da Guarda Real mesmo antes de Aerys, o Louco, assumir o trono. Ele tinha como um de seus juramentos guardar os segredos reais, e pelo seu contato diário com o Rei presenciou histórias que ninguém sabe, mas por ordem de sua nova Rainha, ele acaba revelando coisas que poderiam ser revelados a ela, cujos seus votos a ela pertencem agora. Por mais que tenha ficado desconfortável na situação, ele acaba deixando claro a atração “sexual” por parte do então Príncipe Aerys à prima e esposa de Tywin, Joana Lannister, que é mãe dos gêmeos Jaime e Cersei e de Tyrion, o meio-homem.

Isso é só mais um elemento que nos leva a crer no que vem se tornando cada dia mais óbvio: “Tyrion é um filho bastardo de Aerys Targaryen”.

Aerys deve ter se aproveitado da presença de Tywin em Porto Real quando era Mão ou em outra oportunidade para ter relações com Joana, satisfazendo assim seu desejo. Em alguns momentos da história os guardas afirmam que Aerys, ao queimar alguém, sempre reivindicava a rainha Rhaella e a deixava cheia de hematomas. Ele pode ter tomado Joana a força, gerando assim Tyrion, um anão que pode projetar uma grande sombra e que não para de demonstrar um censo de justiça e de influenciar consideravelmente a situação em sua volta e na história como um todo.

Todo esse impasse pode ter culminado com o pedido de demissão do cargo de Mão. Isso explicaria também a revolta de Tywin com relação ao tratamento com o próprio Tyrion e também em vingança como o saque a Porto Real durante e rebelião. A violação cometida a sua esposa não só gerou um filho bastardo, mas também sua morte durante o parto. Uma grande ofensa à sua honra e um duro golpe em seus sentimentos.


Está nas chamas: Ele é um Dragão

Tyrion acocorou-se na frente dele e aqueceu as mãos contra o frio da noite. Moqorro não reparou nele durante algum tempo. Estava a fitar as chamas trémulas, perdido nalguma visão.
Será que ele vê dias vindouros, como afirma? Se assim fosse, esse seria um dom temível [pensou Tyrion].
Passado algum tempo, o sacerdote ergueu os olhos para cruzar olhares com o anão.
Hugor Hill — disse, inclinando a cabeça num aceno solene. — Vieste rezar comigo?
Alguém me disse que a noite é escura e cheia de terrores. O que vês nestas chamas?
Dragões — disse Moqorro no idioma comum de Westeros. Falava a língua muito bem, quase sem sinal de sotaque. Sem dúvida que essa era uma razão por que o alto sacerdote Benerro o escolhera para levar a fé de R'hllor a Daenerys Targaryen. — Dragões antigos e jovens, verdadeiros e falsos, brilhantes e escuros. E a ti. Um homem pequeno com uma grande sombra, arosnar no meio de tudo.
(A Dança de Dragões)

Moqorro e seu poder como servo de R´hllor acabou enxergando a verdade em suas chamas: “Dragões antigos e jovens, verdadeiros e falsos, brilhantes e escuros” e além destes ainda um tipo diferente de dragão: o próprio Tyrion. Repare que logo no início do discurso Moqorro apenas fala que viu “Dragões” e depois apenas mostra as suas categorias.

Está na profecia de Quaithe

Não. Escutai-me, Daenerys Targaryen. As velas de vidro estão a arder. Em breve, chegará a égua descorada e depois dela virão os outros. Lula gigante e chama escura, leão e grifo, o filho do sol e o dragão do pantomimeiro. Não confieis em nenhum deles.
(A dança de Dragões)
As profecias de Quaithe estão todas se confirmando. Não há motivos pra acreditar que alguma delas seja falsa. Ela prevê a chegada de pessoas importantes que virão visitar a Rainha Dragão. Umas já foram reveladas e outras não são difíceis, vou demonstrar.
A Lula Gigante não pode ser alguém diferente de Victarion Greyjoy (talvez o próprio Olho-De-Corvo?), que está quase aportando no local da batalha em Meereen juntamente com a Frota de Ferro. Já a Chama Escura foi Drogon, que a tentou levar para depois do Mar Dothrak. O Filho do Sol foi para o finado Quentyn Martell. Os que inda não foram revelados foram o Grifo, o Leão e o Dragão do Pantomimeiro.
Em princípio, o Dragão de Pantomimeiro parece ser mesmo o Príncipe Aegon Targaryen, que teria sido mantido por Ilíryo e Varys, ambos eram pantomimeiros, mas as pessoas também esquecem que Tyrion também trabalhou com espetáculos quando criança. Além disso, ele também está sendo enviado para a princesa através de um plano arquitetado por Varys e Illíryo e ainda vem praticando pantomímia com Merreca. Portanto, ao invés de acreditar que o leão se referisse a Tyrion, vejo que a escolha mais provável seria que Quaithe estivesse falando de seu Tio Gerion Lannister, que esta perdido em Essos há mais de três anos quando veio procurar a espada lendária da Casa Lannister em Valíria. Na verdade, vejo que Gerion pode estar infiltrado em uma companhia de mercenário na Bahia dos Escravos. Talvez seja o arqueiro loiro dos Soprados Pelo Vento.
“O grande pavilhão de lona cinzenta a que o Príncipe Esfarrapado gostava de chamar o se ucastelo de tela estava repleto de gente quando os dorneses chegaram. Quentyn precisou apenas de um momento para se aperceber de que a maior parte dos homens ali reunidos provinham dos Sete Reinos, ou se gabavam de possuir sangue de Westeros. Exilados ou filhos de exilados. Dick Straw afirmava que havia três vintenas de homens de Westeros na companhia; um bom terç odeles encontrava-se ali, incluindo o próprio Dick, Hugh Hungerford, a Linda Meris e o louro Lewis Lanster, o melhor arqueiro da companhia.”

Nessa mesma reunião, é falado que a estratégia seria a de deixar todas as entradas abertas. Isso queria dizer que alguns dos soprados, assim como o grupo de Quentyn, iria passar para o lado da rainha.

Outro ponto para ser considerado é o de que Aegon foi para o Poleiro do Griffo em Westeros e não encontrar Daenerys com Quaithe disse que o dragão faria. Isso é um argumento fraco se considerarmos que o Grifo da profecia era Jon Connington, que também foi para Westeros.

Ele tem afinidade com Targaryens
Enquanto Rykker a enchia, BowenMarsh disse:
- Tem uma grande sede para um homem pequeno.
- Ah, eu penso que o Senhor Tyrion é um homem bastante grande - disse Meistre Aemon da ponta mais distante da mesa. Falou em voz baixa, mas todos os grandes oficiais da Patrulha da Noite se calaram para ouvir melhor o que o ancião tinha a dizer. - Penso que é um gigante que surgiu entre nós, aqui no fim do mundo.
Tyrion respondeu com delicadeza.
- Já me chamaram de muitas coisas, senhor, mas gigante raramente foi uma delas.
- Apesar disso - disse Meistre Aemon enquanto seu solhos enevoados, brancos como o leite, se deslocavam para o rosto de Tyrion -, penso que é verdade.
Por uma vez na vida Tyrion Lannister deu por si sem palavras. Só conseguiu inclinar a cabeça polidamente e dizer:
- É bastante amável, Meistre Aemon.
(A Guerra dos Tronos)

Meistre Aemon, que nasceu Targaryan, poderia estar bastante idoso, mas mesmo assim sua mente se mantinha tão sóbria quanto antes. Ao sentir a presença e os posicionamentos de Tyrion, e sem se deixar levar pelas vaidades e preconceitos causadas por sua aparência, acabou reconhecendo seu parente. A afinidade entre os dois, ainda que demonstrada já no primeiro livro, é mais uma dica da paternidade Targaryen do Anão.
Sem pestilências
O fedor do acampamento era tão espantoso que Dany só com dificuldad eevitou vomitar.
Sor Barristan franziu o nariz e disse:
— Vossa Graça não devia estar aqui, a respirar estes humores negros.
— Sou do sangue do dragão — fez‐lhe lembrar Dany. — Alguma vez vistes um dragão com um fluxo? — Viserys afirmara com frequência que os Targaryen não eram tocados pelas pestilências que afligiam os homens comuns e, tanto quanto ela soubesse, era verdade. Conseguia lembrar‐se de ter frio, fome e medo, mas nunca de estar doente.
(A Dança de Dragões)
Os Targaryen não são tocados pelas pestilências que afligem os homens comuns, assim como Tyrion não pegou escamagris mesmo depois, na tentativa de salvar o príncipe, de ter entrado em contato direto com um homem contaminado e caído no Rio. Jon Connington, apesar de apenas ter pulado no rio para salvar o Duende acabou se contaminando. Isso porque ele é um homem comum, mas Tyrion não.
O homem de pedra deitou o archote fora. Ouviu-se um suave silvo quando as águas negras apagaram as chamas. O homem de pedra uivou. Antes fora um ilhéu de verão; o seu queixo emetade do pescoço tinham-se transformado em pedra, mas a pele era negra como a meia-noite onde não era cinzenta. Onde agarrara o archote, a pele rachara e abrira-se. Sangue jorrava dos nós dos seus dedos, embora ele não parecesse senti-lo. Tyrion supunha que isso era uma pequena misericórdia. Embora fosse mortal, pensava-se que a escamagris não era dolorosa.
— Afasta-te! — gritou alguém, muito longe, e outra voz disse: — O príncipe! Protege o rapaz!
— o homem de pedra cambaleou em frente, de mãos estendidas e a tentar agarrar.
Tyrion atirou um ombro contra ele.
Foi como atirar-se contra a parede de um castelo, mas aquele castelo erguia-se sobre umaperna quebrada. O homem de pedra caiu para trás, agarrando em Tyrion quando caiu. Atingiram orio levantando uma monumental quantidade de água, e a Mãe Roine engoliu-os a ambos.
O súbito frio atingiu Tyrion como um martelo. Enquanto se afundava, sentiu uma mão de pedra a apalpar-lhe a cara. Outra fechava-se em volta do seu braço, arrastando-o para as trevas, láem baixo. Cego, com o nariz cheio de rio, sufocado, a afundar-se, esperneou, torceu-se e lutou porlibertar o braço, mas os dedos de pedra não cediam. Ar borbulhou-lhe de entre os lábios. O mundo era negro e estava a tornar-se mais negro. Não conseguia respirar.”
(A Dança dos Dragões)
A criatura estava sangrando e entrou em contato direto com seu rosto. Nada disso o contaminou.
Ele se importa
Os pelos da nuca de Tyrion começaram a pôr-se em pé. O Príncipe Aegon não encontrará aqui nenhum amigo. O sacerdote vermelho falava de uma antiga profecia, de uma profecia que previa a chegada de um herói para arrancar o mundo às trevas. Um herói, não dois. Daenerys tem dragões, Aegon não os tem. O anão não precisava de ser profeta para prever como Benerro e os seus seguidores poderiam reagir a um segundo Targaryen. Griff também compreenderá isso, certamente, pensou, surpreendido por descobrir como aquilo lhe importava.
(A Dança de Dragões)

Não só neste caso, mas Tyrion também se da muito bem com Jon Snow, que também pode ser um Targaryen. O destaque dado ao personagem, apesar de já ter sido colocado em uma das maiores casas dos Sete Reinos ainda pode ser maior, dado o valor de sua influencia na trama. Resta saber como vai ser o desenvolvimento disso, mas pelos elementos e as dezenas de pistas deixadas, acho meio improvável Tyrion ser condenado por ser um assassino de parentes, único crime que realmente pode pesar contra ele. Ele será absolvido já que, afinal de contas, Tywin Lannistter não era o seu verdadeiro pai.
O Dragão tem três cabeças. Resta saber quem são elas. Como disse Illyrio: “Preto ou vermelho, um dragão é um dragão”.

Sem comentários:

Enviar um comentário