terça-feira, abril 11, 2017

O uivo da górgona - parte 36


36
A menina foi deixada sobre o sofá, com Zulmira cuidando dela e os três homens seguiram Edgar até os fundos, onde ele guardava suas ferramentas.
- Não tenho muita coisa, mas é melhor isso do que sairmos por aí desarmados.
O ambiente era escuro e pequeno, de modo que os três homens tinham que se espremer ali dentro. Ainda assim, vasculharam a caixa de plástico e cada um saiu dali com algo: Jonas pegou um facão pequeno, Edgar um martelo e Alan um pé de cabra. Levaram também outro martelo, menor e mais manuseável, para Zulmira.
Jonas caminhava e olhava, tenso, para o facão. Entre todos ali era o único que de fato tinha matado uma daquelas coisas e, embora soubesse que era uma questão de sobrevivência, a consciência lhe pesava.
- E se eles tiverem cura? – falou, baixo.
- Hum? – perguntou Edgar.
- Nada. Só estava pensando alto.

O grupo jantou cedo o que sobrara do almoço e se recolheu ao quarto de Edgar. Era o único local da casa que tinha isolamento acústico e Jonas temia que o uivo da Górgona voltasse a soar.
Zu estava cansada. Tinha passado a noite anterior vigiando a casa pelas grades, apreensiva com os zumbis. Ela se deitou na cama e a menina Sofia e a Pimpinela se deitaram com ela. Logo estavam dormindo. Zu roncava baixo e a menina estremecia, em pesadelos.
Os homens se sentaram no chão. Sentiam-se cansados, mas não sabiam se conseguiriam dormir.
- Já pensou sobre o som? – indagou Jonas.
- Você fala do uivo da górgona?
- Eu vi o que transformou as pessoas. Eu fico pensando: que era aquilo?
- Também pensei nisso. Uma invasão extraterrestre?
- Ou talvez algo sobrenatural, para ter esse resultado sobre as pessoas... eu... ei, estão sentindo isso?
Jonas colocara a mão na parede. Edgar e Alan fizeram o mesmo. Estava tremendo.
- O uivo da górgona voltou. – deduziu Edgar.

Talvez tenham falado alto demais, ou talvez tenha sido o tremor, o fato é que Zu acordou e olhou para os homens, desorientada. Jonas lançou um olhar para ela e depois o direcionou na direção da parede e ela compreendeu.
- Estamos seguros? – perguntou.
- O isolamento acústico nos protege.
Mas era parcialmente verdade. No fundo, podia sentir uma batida, uma espécie de tum-tum, talvez reflexo do tremor na parede.
- Mas as coisas lá fora? Como isso vai afetá-las? – indagou Zu.
Ficaram em silêncio nervoso. Edgar e Jonas mantinham as mãos na parede. Depois do que pareceu um longo tempo as tiraram:
- Parou.
Mal acabou de dizer isso, Edgar percebeu que outra coisa estava acontecendo. Era outro tipo de som, vindo muito fraco, do lado de fora.
- Agora é outra coisa. – disse. Precisamos ver o que é.
Zulmira tentou impedi-los, mas era tarde demais. Os homens já tinham saído do quarto quando ela teve ânimo para dizer que era perigoso. Enfim, acompanhou-os, torcendo para que o uivo não voltasse ou que, caso voltasse, houvesse tempo de retornar ao quarto.

Ao chegar à sala se deparou com uma cena dantesca. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.