terça-feira, novembro 30, 2010

Ensina-me a viver

Há certos filmes que nos deixam uma sensação de paz de espírito, de êxtase estético indescritível. Um deles é ENSINA-ME A VIVER, de Hal Ashby (1971).
No filme, Harold é um rapaz obcecado pela morte conhece uma velhinha que o convence a ver a viver a vida.
As cenas iniciais, em que Harold simula a sua própria morte, são uma atração à parte. Em uma delas ele se enforca, em outra ele corta os pulsos na banheira, em outra ele morre afogado na piscina, sempre sob o olhar indiferente da mãe. A relação da mãe é totalmente desprovida de carinho, mas cheia de autoritarismo. Emblemática a cena em que ela resolve achar uma namorada para o filho e, na hora de preencher a ficha, ela mesma preenche, enquanto Harold dá um tiro na boca.
Então Harold conhece uma velinha de 79 anos em um velório. Com muito cuidado, ela consegue cativá-lo. A personagem é ótima. Maud rouba carros para passear e depois os abandona. Quando Harold pergunta por que ela faz isso, ela diz que é para lembrar às pessoas que as coisas materiais não duram para sempre e que, portanto, não devemos nos apegar a elas. Maud diz que devemos ter uma emoção nova a cada dia. Em outra cena, eles estão em um cemitério. Ela mostra uma flor diz que o grande problema do mundo é que as pessoas são como flores, mas se deixam tratar como túmulos. E a seqüência mostra as milhares de lápides, todas iguais e todas perfiladas como soldados ou operários.
De certa forma, Maud introduz na vida de Harold um olhar filosófico, de encantamento com o mundo, um olhar de criança que vê tudo e se encanta com tudo. O curioso é que ela, uma pessoa já no fim da vida, parece mais jovem que o rapaz, demonstrando bem o adágio que a idade está não no corpo, mas na cabeça.
Como o leitor deve estar advinhando, o rapaz acaba se apaixonando por ela e resolve se casar. A reação da sociedade é expressa na forma da opinião de um padre, um militar e um psicólogo. As cenas são com câmera parada, pegando os personagens de frente, sempre na mesma mesa, para ressaltar a semelhança entre eles. Só o que muda é o quadro de fundo. Na cena do militar, aparece Nixon. Na cena do psicólogo, Freud. Na cena do padre, o Papa. O psicólogo diz, por exemplo, que compreenderia que Harold tivesse desejo pela mãe, mas pela avó? A cena caracteriza bem os aparelhos repressores de Althusser que, nas visão marxista limitada, achava que eram só do estado e que tinham como único objetivo impedir uma revolução socialista. Aliás, se o filme se passasse em um país socialista, a figura de um político com a foto de Marx ao fundo seria inevitável...
Curiosamente, mesmo os jovens hippies não foram capazes de entender a ideia do filme, que foi um fracasso na época e só se tornou cult com o tempo.
Não sei se é fácil de achar esse filme em vídeo-locadoras, mas vale a pena, até pela ótima trilha sonora.

1 comentário:

  1. Professor, "Ensina-me a Viver" é um filme que foi transmitido diversas vezes na TV aberta, (eu o assisti três vezes), e a Rede Brasil o tem em sua grade de filmes, pois vi a propaganda de que seria transmitido na rede (acho) duas vezes neste ano.
    Realmente é um belo e tocante filme...

    ResponderEliminar