quarta-feira, julho 27, 2011

O dilema do professor frente à geração Z


Elizabeth Nunes Magno
Como concorrer com ferramentas como o celular, o computador e  a Internet e suas inúmeras formas atrativas que encantam os jovens da geração Z  (nascidos a partir de 1993)? Como captar a atenção desses jovens que nasceram e cresceram na era digital? Qual o desafio do professor em atrair essa geração acostumada com e-mail, twitter, facebook, orkut, blogs, google, etc, acostumados à informações e comunicações instantâneas?
Há uma reclamação recorrente por parte dos professores com relação ao uso do notebook em sala de aula, uma vez que os alunos se distraem e não prestam atenção à aula, ora, mas, essa geração é a geração da pluralidade, que consegue desenvolver várias tarefas ao mesmo tempo.
É comum durante as aulas o aluno fazer uma pesquisa, twittar,  atualizar o mural do facebook, isso tudo ao mesmo tempo, enquanto assiste às aulas, mas quanto do conteúdo que é dado em sala pelo professor é realmente assimilado?
A grande vantagem da internet é o acesso fácil e a qualquer momento à informação, com isso os alunos acabam preterindo a fala do professor, ou melhor a aula, pois sabem que podem num piscar de olhos fazer uma leitura sobre àquele assunto. A internet estimula as inteligências múltiplas de diversas maneiras, mas talvez de forma superficial. Por exemplo: a leitura em profundidade foi substituída por posts. Para que o aluno precisa ler um livro sobre determinado assunto se o Google disponibiliza o resumo, se o Youtube oferece os mais fantásticos (e também os mais medíocres) vídeos dos mais diferentes assuntos?
O neurocientista Gary Small, pesquisador da Universidade da Califórnia (EUA), acredita que desde quando o homem primitivo aprendeu como usar uma ferramenta o cérebro não sofria um impacto tão grande e significativo como ocorreu com o uso da Internet.
Sabemos que o cérebro humano é uma estrutura que é movida a desafios e que se transforma com eles.
Segundo pesquisa recente os alunos de bons professores aprendem  68%  mais do que os colegas orientados pelos piores docentes. Então o professor é quem faz  a diferença. Apesar de todos os atrativos da Internet, em sala de aula um bom professor é o destaque.
E nesse sentido o papel do professor é fundamental em abastecer e alimentar os cérebros dos seus jovens alunos e ajudá-los a aprofundar o conhecimento, a fazer conexões, a transformar essa rede de  informações em conhecimentos significativos.
Ou pode também proibir o aluno de usar o notebook e de acessar a Internet e usar em suas aulas apenas o Power point, para mostrar textos e mais textos,  lendo-os em seguida, sem explicar ou contextualizar, sem instigar os alunos à participação.
Se afinal a geração Z está acostumada com atividades que envolvam oxigenação, inovação, criatividade. Como se relacionar com alunos que estão num nível digital, tecnológico diferente da do professor?
É necessário que o professor esteja motivado, busque qualificação permanente, conheça as características das novas gerações, os processos cognitivos de aprendizagem, as  novas tecnologias e claro, interaja com elas.
Nesse sentido, somos todos aprendizes.

2 comentários:

  1. Gostaria de contatar a profa. Elizabeth para pedir autorização para reproduzir seu texto no Mingau Digital, na seção para professores. Poderiam, por favor, me passar o contato?
    Muito obrigada,
    Cláudia

    ResponderEliminar
  2. Oi, Claudia! Pode publicar o artigo no seu blog sim. será um prazer.

    ResponderEliminar