segunda-feira, agosto 29, 2011

A inveja (ou as razões de um troll)

Quem me conhece pessoalmente sabe que desde 2009 sou vítima de um troll e seu séquito, que têm me difamado nas mais diversas redes sociais. Cheguei a processar esse troll e ganhei a ação cível. Ele perdeu mais três processos (de outras pessoas, famosas no meio literário ou quadrinístico), inclusive um criminal.
Sempre tive a impressão de que o motivo de toda essa perseguição era a inveja.
Dia desses, pesquisando no Google, acabei tendo uma prova disso. Um dos maiores amigos do troll tinha publicado em seu blog um artigo que era a transcrição literal de quase dois capítulos de minha dissertação de mestrado A divulgação científica nos quadrinhos: análise do caso Watchmen.
O texto recebeu muitos elogios. Um leitor, por exemplo, escreveu:
"Interessante como o senhor utilizou sua própria "inteligência relacional" para criar uma síntese das idéias "moorianas" que permeiam Watchmen... O que nao é nada fácil. Em suma, muito bom. Caso o senhor tenha outras análises de obras desse nível gostaria muito de lê-las, nao necessáriamente só sobre HQ; creio que suas análises podem ser empregadas da mesma forma para cinema, ou mesmo música; três expressoes artísticas fortemente influenciadas/fortalecidas pelas revolucoes técnicas do século XX".
Ou perguntou: "Foi você mesmo que escreveu isso cara? Parabéns, ótimo trabalho".
Deixei um comentário explicando que o texto é meu. Mas o seguidor do troll preferiu simplesmente tirar o texto do ar (um cache dessa  página pode ser vista aqui).
Existe a inveja boa e a inveja ruim. 
O escritor Neil Gaiman disse certa vez que tudo que escreveu foi por inveja: ele lia algo muito bom e dizia: vou tentar escrever algo tão bom.
Na inveja ruim, a pessoa lê algo, gosta muito e pensa: "Tomara que esse cara morra".
O troll usa apenas a inveja ruim: ele admira determinadass pessoas, mas considera que admitir isso seria admitir sua própria incapacidade. Assim, ele persegue, calunia, difama, mas revela sua admiração ao fazer plágio exatamente da pessoa que ele está perseguindo.




3 comentários:

  1. Bom dia!
    Adorei seus texto. Eles desenha com as palavras um assunto que não sei como lidar com ele.
    Mas é exatamente isto. Obrigada. Estou me sentindo aliviada.
    Ah, ser perseguido por alguém que te inveja e quer te destruir, é muito ruim.
    Sei que o mundo é cheio de gente assim.
    Fazer o que? Ignorar e ficar esperto com as maldades do invejoso.
    Mas fala sério, com tanta coisa para fazer e ainda mais esta.
    Por que o invesjoso não faz do invejado um forma de fazer melhor?
    Não faz. Este é o problema.
    Poxa, escrevi demais. Não pecisa publicar. Foi bom para começar o dia...
    Obrigada, mais uma vez.
    Anny.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente vivemos numa época que elogiar o mérito das pessoas é ser puxa-saco...ja me chamaram muito disso quando tentei conversar de igual com artistas famosos, como lirinha, marcelo camelo, maurício de souza...sempre que mensiono que conversei com eles e muitos outros recebo comentários de não aceitação que posso ser capaz disso.
    Eu perdi muito do meu tempo me esquentando com o tal famigerado troll...Depois analisando algo que o próprio autor desse blogue aqui falou pessoalmente em visita a minha cidade me vez analisar melhor as pessoas : status quo e modus operandi.... Fui percebendo que trolls em particular agem tudo na mesma linha de raciocínio (conversa manso, sutilmente vai levando pra tom arrogante, começa a desdenhar da pessoa e de seu trabalho , amigos etc ate você revidar, pronto! Você caiu na armadilha dele, ao revidar ele já tem preparado previamente asneiras pra conseguir sua atenção e fazer você dar o que lhe mais precioso pra criar seu trabalho : seu tempo.
    Você se irrita, revida, chinga , sente desistimulado -como foi o caso do Emir Ribeiro que ia desistir do encontro entre Velta e Raio Negro por trollice de quem não tem personagem nenhum, não sabe escrever, nem desenhar e é apenas um parasita do sucesso dos outros.- e ai ele em seu modus operandi consegue o supra sumo dessa maxima : " Nunca discuta com um idiota...ele te rebaixa ao nivel dele e te vence pela experiência" . Aprendi que todos os trolls seguiam essa sequencia sem tirar nem por, é esquisito, está nos genes...Vai do que generaliza que nordestino são todos "Paraíbas" com cabeça chata e comedor de calango, ao idiota que provoca discussões de time culminando em mortes)
    Mas aí vem a questão : o que leva um ser humano a levar processos por incomodar gente de talento pelo simples fato que ODEIA não suportar a idéia de não conseguir ser um?
    Pena...pena e nojo vem disso.
    Pra terminar, tive muuuuuuuuuita inveja de uma revista chamada A HORA DO CREPÚSCULO de certos autores e desenhistas... RESOLVI SER IGUAL A ELES E SER QUADRINISTA QUE NÃO FIZESSE O MESMO MAMÃO COM AÇÚCAR DE TODOS.
    Aqui estou eu hoje, recebendo elogios pelos meus trabalhos artisticos e pasmem! Até pelo referido troll desse post do blog em relação a nossa produção em Portugal, após lógico ter me atacado em msn e redes sociais antes.
    Sucesso , caro escritor...Troll é que nem música ruim , é esquecida com os anos, Música boa fica sendo apreciada por décadas.

    ResponderEliminar
  3. Gian, eu também volta e meia sou incomodado por trolls-zumbis do meu passado que insistem em ressurgir e enviar se séquito para aporrinhar, olha esta de um desconhecido TONY26 tentando uma entrevista morde-assopra bem neste modus operandi troll, ficou louco quando eu postei no meu Blog, Orkut, Facebook, Linkedin, Netlog, Sonico e diversas redes ANTES de enviar o texto a ele e me ameaçou de processo pois alegou ter DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS sobre minhas respostas!! Como ele registrou ANTES de que eu lhe enviasse e depois de publicado em tantas redes? Isto ele ainda não me respondeu, ficou no xingamento e ameaças de sempre - olha o link e comenta - http://calazanista.blogspot.com/2012/01/fui-entrevistado-por-um-desconhecido.html?showComment=1326838564884#c2964805404710708662

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.