segunda-feira, janeiro 20, 2014

Skreemer: a história de um gigante



Existem obras que, pela qualidade visual e literária, transformaram os quadrinhos na nona arte. Um exemplo disso é a minissérie Skreemer, de Peter Milligan (texto) e Brett Ewins (desenho). Os dois produziram uma obra que, embora tenha tido inspiração na literatura, não caberia num livro.
O tutor literário de Milligan é James Joyce, autor de Ulisses. Foi no livro Finnegan´s Wake que o roteirista se baseou para escrever sua HQ. Por sua vez, o livro de Joyce é uma referência a uma canção popular irlandesa, na qual um homem volta do mundo dos mortos após levar um banho de uísque.
Na história em quadrinhos, os EUA são dominados por gangues, que governam o país. O maior dos chefões é Sreemer, um homem frio, atormentado pelo destino.
Quando a história começa, a império de Skreemer está desmoronando. As outras quadrilhas o cercam, preparando-se para lançar o ataque final. Mas o gigante não pretende cair. Para isso, ele lançará sobre a cidade balões com um novo tipo de doença, contra a qual apenas ele tem a cura. Isso criará a instabilidade necessária para que a era da queda se perpetue.
Toda a história (seis capítulos) se passa na meia-hora, no máximo: enquanto espera a concretização de seu plano, Skreemer se lembra de seu passado. É aí que entra o grande charme de Skreemer: os flash backs. Fora a meia-hora de espera, todo o resto são lembranças do gangster.
Milligan ainda meteu pelo meio a história da família Finnegan, cujo patriarca se orgulha de ter o nome ligado a um livro de James Joyce que, como a vida, andava em círculos e era complicado demais para se entender.
Essa trama é usada para discutir, entre outros assunto, o destino, cuja mão implacável parece governar a todos. Skreemer se torna um MacBeth moderno, um monarca atormentado pelo estigma da traição e da queda, lutando para romper um futuro que parece inevitável.
Mais que uma boa história em quadrinhos, Skreemer é um exemplo de como os quadrinhos superam, em alguns sentidos, até mesmo a literatura. A alternância entre cenas do presente e do passado é feita através de mudanças de coloração (opaca nos flash backs). Texto e desenho se unem para transmitir uma mensagem que permite várias leituras.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.