sexta-feira, março 17, 2017

O uivo da górgona - parte 11

11
A menina voltou a fazer gestos.
- Ela está apontando para o caderno em cima do balcão. – alertou Edgar.
- Deve estar querendo escrever algo. Vou pegar o caderno e a caneta.
Edgar lamentava não ter aprendido linguagem de surdos e mudos. Esse tinha sido oferecido aos professores na universidade e ele deixara para outro momento. Talvez agora fosse tarde demais.
Jonas voltou com o caderno e a caneta e entregou para a menina. Ela escreveu nele e entregou e mostrou aos dois:
- Sofia. – leu Jonas. Esse é o nome dela.
Edgar voltou a entregar o caderno para a menina.
- Onde você mora?
Mas a menina olhou-o, sem saber o que fazer.
- É tudo que ela sabe escrever. – concluiu Edgar. O próprio nome. Talvez ela saiba ler mais, mas tudo que aprendeu a escrever foi o próprio nome. Se ao menos soubéssemos libras.
Jonas fez um gesto afirmativo com a cabeça:
- Eu sei.
A menina fez um gesto apreensivo para os dois.
- Ela está preocupada. Acha que eles vão voltar.
- Ela tem razão. – concordou Edgar. Não podemos ficar escondidos aqui para sempre. Precisamos tentar contato com outras pessoas, descobrir se isso aconteceu em toda a cidade.
- Não consegui sintonizar nenhuma estação no rádio. Estão todas fora do ar. A televisão também não funciona.
- Tentou ligar par alguém?
- Meu celular descarregou e não tenho fixo.
Edgar sabia que seu celular estaria com bateria. Sempre o desligava antes de dormir. Começara a fazer isso depois que um aluno lhe ligou a uma da manhã para fazer uma pergunta sobre um trabalho. Além disso, tinha o telefone fixo.
- Precisamos ir para minha casa. Tenho telefone lá. Moro aqui perto.
Saíram em fila indiana, um atrás do outro, por entre as prateleiras.

- Oh, não! – disse Jonas, estancando. Voltem, rápido! 

Sem comentários:

Enviar um comentário