segunda-feira, abril 24, 2017

Hitler gostava de futebol?

Aparentemente não. Ele não costumava ir aos estádios assistir aos jogos, mas mesmo assim tentou usar o jogo como instrumento de propaganda política. A crise mundial de 1929 quebrara a Federação Alemã de Futebol (DFB) e o ditador se ofereceu para ajudar financeiramente à instituição. A idéia era divulgar a superioridade da raça alemã através de vitórias no futebol.
Um dos que mais colaboraram nesse processo Joseph Herberger. Apesar de conhecer as atrocidade cometidas pelo regime nazista, eles sempre defendeu o regime, pois queria tornar-se técnico da seleção, o que conseguiu em 1937. Herberger continuou no cargo após a II Guerra e chegou a ganhar a copa do mundo de 1964.
Outro exemplo de como o regime nazista tinha interesse no futebol foi o caso do atacante austríaco de origem judia Matthias Sindelar. Ele era tão magro que os austríacos o conheciam como Der Papiereme (Homem papel), mas jogava um bolão. Quando Hitler anexou a Áustria, vários jogadores passaram para o time alemão, mas Matthias se recusou. A recusa o colocou numa situação difícil: ficava claro que, além de judeu, ele era uma adversário do nazismo.
No jogo comemorativo pela unificação da Áustria e a Alemanha ele protestou errando vários gols até marcar um na vitória de 2 a 0 do time austríaco Ostmark sobre o alemão Altreich.

Tal atrevimento não poderia ficar impune e ele logo foi encontrado morto em um hotel, envenenado por monóxido de carbono. A maioria dos historiadores acredita que ele foi morto pela polícia secreta nazista.   

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.