quinta-feira, abril 27, 2017

O que era a onda?

A Onda foi uma experiência realizada, em 1967, por um professor de história em uma escola Palo Alto, nos EUA. Para demonstrar aos alunos o clima que deu origem ao nazismo, o professor instituiu um movimento chamado a Onda que tinha as mesma características do nazismo: uma saudação, um slogan “Poder, disciplina, superioridade”, um símbolo gráfico (uma onda) e uma estrita disciplina.
O professor Ross incentiva os alunos a adotarem a disciplina que caracterizava os nazistas.
O resultado dessa arriscada experiência pedagógica foi um movimento que saiu dos limites da sala de aula e do controle do professor. No final, toda escola acaba envolvida com o fanatismo da Onda. Aqueles que não aderem ao movimento são agredidos e segregados.
Um casal de estudantes percebe os rumos que o movimento está tomando e alerta o professor, que convoca uma reunião dos integrantes da Onda. Nela, ele mostra a figura de Hitler e diz que aquele é o líder que eles seguiriam se continuassem naquele caminho e alerta para o fato de que eles perderam o censo crítico ao aderir ao movimento: “Vocês trocaram sua liberdade pelo luxo de se sentirem superiores. Todos vocês teriam sido bons nazi-fascistas. Certamente iriam vestir uma farda, virar a cabeça e permitir que seus amigos e vizinhos fossem perseguidos e destruídos. O fascismo não é uma coisa que outras pessoas fizeram. Ele está aqui mesmo em todos nós. Vocês perguntam: como que o povo alemão pode ficar impassível enquanto milhares de inocentes seres humanos eram assassinados? Como alegar que não estavam envolvidos. O que faz um povo renegar sua própria história? Pois é assim que a história se repete. Vocês todos vão querer negar o que se passou em “A  onda’. Nossa experiência foi um sucesso. Terão ao menos aprendido que somos responsáveis pelos nossos atos. Vocês devem se interrogar: o que fazer em vez de seguir cegamente um líder. E que pelo resto de suas vidas nunca permitirão que a vontade de um grupo usurpe seus direitos individuais. Como é difícil ter que suportar que tudo isso não passou de uma grande vontade e de um sonho”, diz ele..
A experiência foi relatada em livro e depois transformada em filme de 45 minutos, com formato reduzido para ser adotado em escolas com o objetivo de discutir os riscos de sistemas totalitários.
O interessante da experiência da Onda é que ela demonstrou que o fanatismo do nazismo pode se reproduzir em qualquer lugar, mesmo em um país democrático, desde unidos os elementos necessários (um líder carismático, psicologia de massa, slogas, saudações etc).

A grande lição para quem assiste é que o fantasma do nazismo está muito mais próximo de nós do que imaginamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário