sexta-feira, abril 28, 2017

O uivo da górgona - parte 46


46
Sofia recuou, horrorizada.
Era uma mulher, uma de verdade. Sofia olhou, angustiada, para as facas na parede e compreendeu e a compressão fez com que um calafrio arrepiasse seu corpo.
Era uma mulher de verdade e seus braços e pernas tinham sido cortados e a pele costurada, provavelmente para que ela não morresse sangrando. E não tinha sido só isso que havia sido costurado. Quem fizera isso costurara também os lábios da mulher, de modo que ela não conseguia falar.
Pelos movimentos do rosto, Sofia imaginou que ela estivesse murmurando algo, numa tentativa vã de pedir ajuda. Mas não era necessário ouvi-la. Bastava contemplar o desespero em seu olhar. Era um pedido desesperado de ajuda.
O dono da casa fez isso com ela, compreendeu Sofia. O dono da casa capturou essa mulher e cortou seus braços e suas pernas, e costurou para que ela sobrevivesse e pudesse passar mais tempo sendo torturada.
Talvez ele pretendesse fazer isso com todos eles, pensou Sofia e a compreensão foi tão insuportável que pareceu doer em seu peito.
Preciso avisar os adultos, preciso trazê-los aqui, pensou ela.

Mas quando se virou o dono da casa estava lá, olhando para ela, com uma faca na mão. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.