terça-feira, maio 02, 2017

O uivo da górgona - parte 48


48
Edgar acordou com o grito. A casa tinha isolamento acústico, de modo que o grito só podia vir de dentro. Era um grito de mulher. Atordoado, ficou alguns instantes deitado, indeciso sobre se levantava ou não, se o grito tinha sido real ou um sonho. Então veio um novo grito, ainda mais forte e desesperado. Um grito feminino.
Assustado, levantou-se num átimo e calçou o tênis. Quando chegou ao corredor, Jonas e Alan já estavam lá.
- Você ouviu? – perguntou Alan.
Edgar fez que sim com a cabeça.
- Parecia a voz da Zu. Veio lá de baixo.
Desceram cuidadosamente as escadas. Os instrumentos que haviam selecionado para se defenderem dos zumbis haviam ficado na sala e cada um se armou com um deles.
Ficaram lá, parados, olhando um para o outro, temendo falar, incapazes de tomar uma decisão, até que Jonas apontasse para a porta que haviam sido proibidos de entrar.
- Está aberta. – disse.
Edgar foi na frente. A porta dava para uma espécie de corredor ao final do qual uma espécie de sala se abria em L. De onde estava, era impossível ver o que havia na sala, mas ele sabia que havia pessoas ali pelas sombras na parede.
Olhou para trás, trocando um olhar com Jonas para que fizesse silêncio e avançou.
Na parede, ao final do corredor, facas dos mais variados tipos e tamanhos. Isso de alguma forma parecia um mau agouro. Para que alguém precisaria de tantas facas?

Mas nada podia prepará-lo para o que veria a seguir. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.