sexta-feira, junho 09, 2017

Ranxerox: ultraviolência na cidade eterna


A Itália não tem nenhuma banda significativa de punk rock. Mas sua contribuição para o movimento veio na forma dos quadrinhos de um andróide enlouquecido chamada Ranxerox.
O cenário de suas degradantes aventuras é uma Roma cyberpunk  e apocalíptica. Todo o romantismo da cidade eterna foi substituído por  decadência, sordidez, indiferença e ultraviolencia. Na metrópole  superpovoada, o trafico e o uso de drogas pesadas  e corriqueiro, as pessoas são indiferentes à violência, mulheres se prostituem a troco de nada e a pedofilia é o modo mais rotineiro de relacionamento sexual.
Em meio ao caos urbano, dois personagens anárquicos e amorais: Ranxerox, uma mistura de homem robô e gorila que dá nome  a série, e sua namoradinha ninfeta Lubna, uma junkie de apenas 12 anos com cara de criança e jeito de dominatrix . Essa brutalidade  em forma de HQ foi produto da parceria entre dois gênios do ofício: o roteirista Stefano Tamburini e o desenhista Tanino Liberatore.
Em 1977 a Itália vivia seus anos de chumbo. Dividida entre os ataques das brigadas vermelhas e da ultra direita, o pais vivia anos de caos. Stefano tamburini e Tanino Liberatore captaram como ninguém o momento, nas paginas de Ranxerox. 
Egresso da revolucionaria revista Caniballe (berço do novo quadrinho punk italiano) Tamburini  brincava com os clichês da  ficção científica,  fazendo parecerem extremamente originais.  Ele acrescentava na trama alguns elementos que passariam batido em outro tipo de história, mas que causam bastante estranhamento numa sci-fi, tais como carros vintage, monumentos históricos da antiguidade, bandas do pós-punk britânico, astros de Hollywood, etc.
A dupla  frequentemente lançava mão da metalinguagem para advertir o público de que tudo aquilo era mentira: em diversas ocasiões podemos avistar "figurantes" lendo exemplares da Frigidaire ou de algum modo fazendo referência aos quadrinhos, chegando ao cúmulo de Lubna, em determinado momento, dizer que "está cansada de vagabundear dentro de um gibi de merda".
Por outro lado, o roteirista tinha uma imaginação tão fértil para criar absurdos que o maior prazer em ler o que ele escrevia não reside na apreciação de um enredo bem construído ou na beleza estética de suas palavras, mas sim em adivinhar qual seria a próxima bizarrice que cruzaria o caminho dos protagonistas.
Bizarrices muito bem ilustradas pela arte “renascentista” de Tanino e sua técnica e anatomia impecáveis.
Em abril de 1986, a dupla trabalhava o terceiro capítulo quando  Stefano Tamburini  exagerou no uso de heroína e morreu. Nessa época, sua criação já era uma mania, sendo editada em revistas como a Heavy Metal, a espanhola El Víbora, a francesa L'Echo des Savanes e a brasileira Animal (fez muito sucesso no Brasil ).
Durante os anos 80, Ranxerox  foi considerado  um dos “símbolos dos anos 80 “ , virou jogo de videogame e sua adaptação cinematográfica já foi anunciada milhares  de vezes. Apesar de ser um personagem Cult, desde a morte de seu criador a criatura nunca mais deu as caras nos quadrinhos.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.