quinta-feira, setembro 22, 2011

Religião define caráter?

Recentemente coloquei um link de uma campanha ateista veiculada em Porto Alegre. Por falta de tempo, não pude fazer um post, mas gostaria de comentar.
Pelo que entendi, o objetivo da campanha não é converter as pessoas ao ateismo, mas provocar uma reflexão principalmente quanto ao preconceito contra ateus.
Uma pesquisa recente, feita pela Fundação Perseu Abramo, mostrou que os ateus são as pessoas mais odiadas do Brasil, empatando apenas com os usuários de drogas.
Esse ódio parece foi alimentado recentemente, quando o apresentador Datena, do Brasil Urgente, declarou em seu programa que só quem não acredita em Deus é capaz de cometer crimes. Para ele, ateus são pessoas do mal, bandidos, estupradores, assassinos e corruptos.
Para tentar desfazer esse mal entendido que o principal outdoor da campanha mostra Hitler e Chaplin e afirma que religião não define caráter.
E, pelo jeito, religião não define caráter mesmo. Todos devem se lembrar do escândalo de corrupção no Distrito Federal em que os corruptos se reuniam para rezar e agradecer a Deus o fruto do saque aos cofres públicos.
Muitos bandidos famosos acreditavam em Deus. Lampião, por exemplo. sempre rezava, pedindo proteção.
Dia desses ouvi uma pessoa instruída dizer que a causa das guerras é o materialismo e a falta de religião. Nada mais equivocado. A grande maioria das guerras atuais tem fundamentação religiosa. Vejam, por exemplo, os terroristas islâmicos, que acreditam que Alá lhes dará um lugar no paraíso por terem morrido numa guerra santa. Os ataques de 11 de setembro, motivados por razões religiosas, provocou as guerras do Iraque e do Afeganistão.
Da parte dos cristãos, é sempre bom lembrar das Cruzadas, uma guerra santa, abençoada pelo Papa.
De fato, religião não define caráter, até porque existe o fenômeno da dissonância cognitiva, em que a pessoa cria uma desculpa para agir de maneira diferente dos seus princípios. Assim, embora Jesus tenha pregado a paz, as cruzadas eram importantes para proteger os cristãos que iam para Jerusalém. Assim, embora a religião cristã tenha como um dos mandamentos não roubar, tudo bem no caso da corrupção porque o corrupto pensa que aquele dinheiro está sendo dado por Deus, e não desviado das pessoas que precisam.

Um bom exemplo de dissonância cognitiva é mostrado no filme Alexandria, sobre Hipátia (a filósofa morta por cristãos). Depois dos cristãos massacrarem judeus, um garoto cristão reflete: "Mas Jesus não disse que devemos amar uns aos outros e perdoar as ofensas? Será que não estamos errados em matar as pessoas?". Ao que outro retruca: "Quem é você para se comparar com Jesus? Jesus perdoava porque era Deus. Você é só um pecador" (Não lembro se o diálogo é exatamente esse, estou escrevendo de cabeça,  mas a essência é essa).

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Patrícia. Uma coisa que é bom esclarecer é que não sou ateu. Acredito em Deus, mas acho que quem não acredita tem todo o direito. Acho absurdo esse preconceito contra ateus.

    ResponderEliminar
  3. Creio que a motivação de guerras e tantas barbaries vinculadas a religião, antes de tudo, está nos interesses e egoísmo humano. Se os homens de fato vivessem o que Deus significa viveriam a fraternidade. As ambições, disfarçadas pela manipulação da religião a seu favor, entre outras coisas, é o que acaba desencadeando tudo... Destruição entre o homens e da maior expressão de amor nos corações: Jesus!
    Fiz tambem uma postagem + ou - neste segmento neste link, se quizer ver:
    http://casteloroger.blogspot.com/2011/07/imagens-festa-de-sao-tiago-2011.html

    ResponderEliminar
  4. Gian Danton, por favor, peço-te que vc entre em contato comigo. Não consegui encontrar o seu e-mail, então, envie um e-mail para que eu possa lhe escrever, por favor! Abraço, Patrícia

    ResponderEliminar
  5. Rosivaldo Regis1:35 da tarde

    olha adorei o seu comentário eu por exemplo eu não tenho religião, acredito em Deus em Jesus cristo, o meu enteado e ateu ele tem 20 anos e um menino muito legal nunca vi fazer maldade com nimquem espero que ele continua assim, nunca critiquei muitos da família o crucifica mais o que valer e o caraté.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.