terça-feira, novembro 29, 2016

Fotografia como verossimilhança na ficção



Nós temos a tendência de acreditar na fotografia como uma reprodução do real. Fotografar algo é atestar sua veracidade. Não é à toa que a primeira teoria do jornalismos chamava-se teoria do espelho: acreditava-se que o texto jornalístico deveria ser como a fotografia, que é “um mero espelho dos fatos”.
Outra demonstração desse poder da fotografia como reafirmador da realidade são as fotos de discos voadores. Sua presença “são apresentadas como prova de que a presença de naves espaciais entre nós é real.

Essa é a grande inovação do livro O orfanato da Srta Peregrine para crianças peculiares, de Ranson Riggs: o autor usa fotografias como forma de dar verossimilhança à narrativa.
Na história, um rapaz é fascinado pelo avô, que lhe conta histórias fantásticas sobre o tempo que viveu num orfanato para pessoas com estranhas habilidades, na época da II Guerra Mundial.

E, para prová-las, mostra fotos. Apesar de serem montagens fáceis, essas fotos reforçam a narrativa, ajudam o leitor a acreditar no que estar sendo dito.
Depois, quando o narrador desconfia da autenticidade, o leitor desconfia junto e, quando finalmente as fotos se revelam reais, o leitor finalmente acredita nelas como prova de realidade.


Esse jogo é habilmente trabalhado por Riggs, fazendo com que o leitor se sinta imerso numa história hiper-real, plenamente crível. Essa é uma das razões pelas quais o livro é melhor que o filme: no cinema, a fotografia perde seu caráter de reafirmador da verossimilhança da narrativa e se torna um mero assessório. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.