terça-feira, dezembro 06, 2016

O Homem-animal


Homem-animal foi um super-herói secundário criado na década de 1960 na revista Strange Adventures. Depois de criado, passou anos no limbo até ser resgatado e se tornar um dos quadrinhos mais importantes e revolucionários da década de 1980. O responsável por isso foi um escritor escocês denominado Grant Morrison.
Morrison foi para a DC em 1987. Na época, Alan Moore havia transformado o Monstro do Pântano de uma revista prestes a ser cancelada em um campeão de público e crítica. E a DC despachou editores para a Grã-Bretanha em busca de outros talentos no que viria a ser conhecida como invasão britânica dos comics americanos.
Morrisson, que já vinha se destacando por alguns trabalhos inovadores, como Zenith, foi um dos convidados, mas não tinha a menor ideia de que personagem pegar. A DC não pretendia colocar suas galinhas dos ovos de ouro, como Super-homem e Batman nas mãos de desconhecidos, então só restavam os secundários.
Morrison lembrou-se do Homem-animal, um herói desconhecido e pouco explorado e percebeu que havia potencial ali. E bolou a história de um super-herói de terceira, casado, com filhos, desempregado, que se envolve na defesa dos direitos dos animais.
Na primeira saga, o herói é chamado pelo diretor de um instituto de pesquisas para investigar uma invasão e acaba descobrindo que no local são feitas experiências científicas cruéis com animais.
O trabalho revolucionário de Morrison na série já ficava óbvio no início do terceiro número quando o herói, após perder o braço, consegue acessar uma minhoca e usar sua habilidade de regeneração para fazer nascer um novo braço. Ali ficava claro que a abordagem da série seria totalmente radical e original.
A ideia era fazer uma minissérie em quatro capítulos, mas os editores gostaram do resultado e pediram que a história fosse transformada em uma revista mensal.
Morrison não sabia o que fazer e foi salvo por uma história singela, mas revolucionária, que marcou os quadrinhos da época: O evangelho do Coiote.
A história mostrava o Coiote das histórias do Papa-léguas caindo no deserto e sendo perseguido por um caminhoneiro que acredita que ele é um demônio. Como nos desenhos animados, nada é capaz de matá-lo, nem mesmo tiros, pedras imensas ou quedas. Mas ele sofre cada pseudo-morte, cada dor.
No final, o Coiote entrega ao herói um manuscrito, o “Evangelho segundo o Ardiloso” (ou o Evangelho do Coiote). O que se segue é uma narrativa de fábula sobre um mundo de desenho animado, em que animais matavam animais em mortes cruéis e sem sentido.
Cansado disso, o Coiote vai até Deus, representado como um desenhista. “Deus” decide que manterá os animais em paz, mas em punição o Coiote será transportado para nossa realidade, onde deveria morrer de formas terríveis e dolorosas e sempre voltar. O final, igualmente metalinguístico, mostrava uma mão pintando o último quadro.
A história foi revolucionária ao mesclar o contexto realista comum na época (as mortes do coiote são descritas de maneira extremamente detalhada) com a metalinguagem.

Isso, em conjunto com a questão da defesa dos animais, deu o tom da série e transformou o antes desconhecido Homem-animal em um dos heróis mais queridos da DC Comics (contribuiu também as fantásticas capas de Brian Bolland para a revista).

1 comentário:

  1. Já vi o personagem em varios lugares mas nunca tive a oportunidade de ler, esta capa ja vi indefinidas vezes, muito interessante.

    ResponderEliminar