terça-feira, fevereiro 14, 2017

Linguagem científica

Uma das grandes dificuldades de quem vai produzir uma monografia é confundir texto científico com texto de divulgação científica. Ao pedir para alunos textos científicos, a maioria me traz revista como a Galileu, a Superinteressante ou a Revista dos Curiosos. Essas revistas são exemplos do que é chamado de comunicação científica secundária.
Na comunicação científica primária, o cientista fala para outro cientista. Exemplos de comunicação científica primária são as monografias, teses, dissertações de mestrado e papers. Na comunicação científica secundária, o cientista, ou um repórter, divulga conhecimentos científicos a um público leigo, formado na sua maioria por não cientistas.
Embora revistas como a Superinteressante tenham características de textos científicos (é importante lembrar que o texto jornalístico tem muitas semelhanças com o científico), elas não seguem normas de apresentação de trabalho exigidas em comunicações científicas.
Entre as características dos textos científicos, podemos citar os seguintes:
1.Linguagem unívoca;
2.linguagem impessoal;
3.uso de citações (argumento da autoridade – paradigma);
4.referências;
5.clareza.

5.1.1 - Linguagem unívoca
         Em um texto científico, cada palavra-chave deve ter um sentido único e indistinto e, deve ser usada com esse sentido durante todo o trabalho. É por essa razão que quase todos os trabalhos na área de ciências sociais sempre iniciam com definição de termos. Se a sua monografia é sobre o uso da teoria das inteligências múltiplas na escola, na parte inicial do trabalho você deverá explicar o que significa “inteligências múltiplas”.
         O contrário da linguagem unívoca é a linguagem plurívoca, típica da poesia, que permite várias interpretações. Às vezes, a linguagem plurívoca pode aparecer em uma frase mal construída. Veja o exemplo:
         Os tetos que não são pintados freqüentemente oxidam. (FEITOSA, 1991, p. 135)
         O que o autor quer dizer? Que os tetos que não são freqüentemente pintados oxidam ou que os tetos que não são pintados oxidam freqüentemente? 
         Embora pareça só um jogo de palavras, o significado muda, pois a primeira interpretação diz que os tetos devem ser pintados freqüentemente para não oxidarem. A segunda interpretação dá conta que basta pintar uma vez para que não haja oxidação.

5.1.2 - Linguagem impessoal
Em textos científicos evita-se expressões pessoais. Ao invés de dizer “Os resultados do trabalho realizado por mim”, diz-se: “Os resultados deste trabalho”.
         Em monografias evita-se expressões como acho, penso, creio.
         A linguagem impessoal também se expressa em oposição à linguagem subjetiva. Assim, ao invés de dizer “A sala estava suja”, o cientista dirá: “O entrevistado, enquanto falava, deixou cair cinzas de seu cigarro no chão. Viam-se restos de cigarros apagados e fragmentos de papel no chão”. Ao invés de dizer “A sala era grande e espaçosa, dirá “A sala media 12 m de comprimento por 8 m de largura”. (CERVO ; BERVIAN, 1983, p. 136)

5.1.3 - Uso de citações  e referências
A citação ocorre quando se utiliza uma frase, uma idéia ou informação coletada por outro autor. Ela é a base do argumento da autoridade, em que o autor usa uma autoridade para reforçar seu pensamento.
Embora Karl Popper duvide da validade do argumento da autoridade, Kuhn demonstrou que os cientistas se baseiam no paradigma, que é uma autoridade. Assim, um autor marxista irá certamente citar Marx em seus trabalhos. Um físico não pode ignorar os trabalhos de Einstein, e, se puder, vai citá-lo para reforçar seu raciocínio.
         Em todo caso, mesmo autores influenciados por Popper admitem que em algumas áreas, como o direito, o argumento da autoridade é inevitável. É impossível, por exemplo, escrever um texto jurídico sem citar leis.
         Mas é bom ter cuidado com as citações. É necessário antes verificar se o autor citado é realmente uma autoridade na sua área. Além disso, deve-se verificar se a citação tem relação com seu argumento.
         O direito de citação é garantido pela lei 9610, de 19.02.98:
Art. 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais:
®III - a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra.

         As citações podem ser diretas ou indiretas.
         Na citação indireta, usa-se a idéia do autor, mas não exatamente suas palavras. A citação não vem entre aspas, mas deve ser referenciada.
         Exemplo de citação indireta:
         Para Aristóteles (1996), a comédia é a imitação das pessoas inferiores. O filósofo ressalta, no entanto, que o cômico se refere a um tipo de feio específico, no qual não cabe a dor. Um exemplo disso é a máscara cômica usada no teatro grego que, apesar de feia, não expressa dor.
         Na citação direta, a idéia é expressa exatamente como o autor citado a escreveu.
         Exemplo de citação direta:
         Para Aristóteles (1996, p. 35), a comédia é a imitação das pessoas inferiores e refere-se à feiúra. Entretanto, para ele, a comicidade “(...) é um defeito e uma feiúra sem dor nem destruição; um exemplo óbvio é a máscara cômica, feia e distorcida, mas sem expressão de dor.”.
         As citações curtas (de até três linhas) devem vir dentro do texto, entre aspas. As citações longas devem vir em parágrafo próprio com um recuo de quatro centímetros.
         Um detalhe importante sobre as citações é que elas não podem ser muito extensas. Citações maiores devem ter autorização por escrito do autor. Assim, pegar um capítulo inteiro de outro autor não é citação, é plágio.
         Toda informação ou idéia colocada no texto que tenha sido criada ou coletada por outra pessoa, deve ser referenciada. Como vimos, as citações são um procedimento científico normal, mas citar sem dizer quem é o autor original é plágio.
         A boa citação deve vir, obrigatoriamente, acompanhada de referência bibliográfica que indique o autor, a obra e a página da qual foi tirada a citação.
         Há dois sistemas de referência: o autor-data e de notas de rodapé. Atualmente, em decorrência da internet, a maioria das instituições tem aconselhado o usa do sistema autor-data.
         No sistema autor, data, coloca-se o sobrenome do autor, virgula, ano de publicação, vírgula, a abreviatura de página e o número da página. 
Exemplo: (RUIZ, 1979, p. 86)
         No caso de dois autores, coloca-se o sobrenome dos dois, separados por ponto e vírgula.
Exemplo: (CERVO; BERVIAN, 1983, p. 136).
         Quando o nome do autor já aparece no texto, apenas o ano e a página aparecem entre parênteses e o nome do autor é grafado em caixa baixa.
Exemplo: Para Ruiz  (1979, p. 86), “o conhecimento científico...”.
         Quando se trata de uma citação que foi retirada de um livro de outro autor que não o autor original , deve-se colocar o sobrenome do autor da frase, seguida pela expressão apud e pelo sobrenome do autor do livro consultado. Quando o nome do autor vier fora do parênteses, admite-se a expressão “citado por”.
Exemplo: (POPPER apud HEGENBERG,1979, p.86).
Ou: Popper citado por Hegenberg (1979, p.86).
         Quando a citação se refere a uma idéia do autor e não a uma informação ou frase específica, a página não é obrigatória na referência.
         Exemplo: Num estudo recente (BARBOSA, 1980) demonstrou-se que...
         Quando houver dois autores com o mesmo sobrenome, coloca-se o prenome abreviado.
         Exemplo:
         (BARBOSA, C., 1956)
         (BARBOSA, O., 1956)
         Quando forem citados vários documentos do mesmo autor publicados no mesmo ano, acrescenta-se, após a data, letras minúsculas, sem espacejamento (essas letras também devem aparecer na bibliográfica, sempre após o ano).
         Exemplo:
         (OLIVEIRA, 1999a)
         (OLIVEIRA, 1999b)
         Quando se tratar de informação oral (palestras, debates, comunicações pessoais), utiliza-se, entre parênteses, a expressão informação verbal.
         Exemplo:
         Franco de Rosa afirma que a Grafipar começou a contratar desenhistas de outros estados no ano de 1980 (informação verbal).
         Quando o texto não tiver autor, a entrada é feita pelo título ou pela instituição.  Quando o título for extenso, pode-se abreviá-lo, colocando a primeira palavra seguida de reticências.
         Exemplos:
         (UNESCO, 2001)
         (CROSSGEN..., 2003)
         Quando a citação direta tiver até três linhas, deve vir entre aspas, no corpo do próprio texto.
Exemplo:
Mais recentemente, os estudos sobre buracos negros terminaram de enterrar o demônio laplaciano. Stephen Hawking descobriu que os buracos negros não são completamente negros: “O que pensamos como espaço vazio não é realmente vazio, mas é preenchido com pares de partículas e antipartículas. Estas aparecem juntas em algum ponto do espaço e tempo, movem-se separadamente e então, juntam-se e aniquilam-se” (HAWKING, 2004).
Quando a citação direta tiver mais de três linhas, deve vir em parágrafo à parte, com recuo de quatro centímetros, fonte em tamanho menor, espaçamento simples e sem aspas, itálico ou negrito.
Exemplo:
A noção do universo como relógio deu origem à idéia ao determinismo científico, expresso publicamente pela primeira vez pelo cientista francês Laplace. Acreditava-se que a natureza seguia regras fixas que podiam ser descobertas com o uso da razão, como no caso de um relógio. Para Laplace,

4 cm.
 
Uma inteligência que conhecesse em determinado momento todas as forças da natureza e posição de todos os seres que a compõem, que fosse suficientemente vasta para submeter estes dados à análise matemática, poderia exprimir numa só fórmula os movimentos dos maiores astros e dos menores átomos. Nada seria incerto para ela, e tanto o futuro como o passado estariam diante de seu olhar. (LAPLACE apud EPSTEIN, 1986, p. 30)

5.1.4 - Clareza
         Um texto científico deve ser claro. Ao contrário do que muitos acham, escrever cientificamente não é escrever de maneira difícil. Claro que há um certo grau de dificuldade para o público, mas essa dificuldade está na linguagem técnica, não na formatação das frases.
         Para garantir a clareza do texto, deve-se evitar o excesso de períodos compostos, que dificultam a compreensão e podem dar margem a  dupla interpretação, como no exemplo abaixo:
Carlos, que foi preso pelo policial, que é pessoa violenta, que roubou a casa de uma pessoa que mora no bairro do Congós e é caixa em um supermercado muito conhecido nesta cidade.
         As mesmas informações ficam muito mais claras com a melhor organização da frase:

Carlos, pessoa violenta, foi preso pelo policial. Ele é acusado de roubar a casa de uma pessoa no bairro do Congós. A vítima trabalha em um supermercado muito conhecido na cidade. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.