sexta-feira, março 31, 2017

O uivo da górgona - parte 25


25
O grupo se aproximava cada vez mais e agora andava muito, muito mais rápido. Tinham visto suas presas e não queriam perdê-las.
- Entre logo! – gritou Jonas.
- Só mais um pouco!
A menina bateu no vidro do carro, aflita. O rapaz de tênis All Star parecia não se sentir íntimo o bastante para reclamar, mas o medo era visível em seu rosto.
Então o tempo se alterou, como se tudo acontecesse em outra dimensão, mais lenta.
Um dos zumbis começou a correr. Edgar sabia que ele estava correndo, mas o via lentamente, como numa imagem em câmera lenta. Outros o seguiram. Dentro do carro, os três gritavam, mas Edgar não conseguia ouvi-los.
A mangueira foi retirada do tanque e caiu no chão, soltando gasolina em espasmos, como uma cobra em frenesi de morte.
O professor pegou a tampa sobre o carro e tentou colocá-la, mas ela não encaixava. Olhou para trás e viu que o zumbi estava apenas a alguns metros. Lá dentro, os três tentavam avisá-lo.
Quantos segundos? Quantos segundos até que eles o alcançassem?
A tampa finalmente encaixou, com um clique. Edgar pegou a chave e abriu a porta. Algo agarrou seu ombro. Dentro do carro, os gritos de aviso haviam se transformado numa cacofonia indistinguível. Mesmo com as garras segurando sua pele (dor, muita dor), ele se abaixou e entrou no carro, ao mesmo tempo em que fechava a porta. O homem que o segurava urrou, mas continuou apertando.
Edgar soltou a porta e voltou a puxá-la, agora com mais força. Agora ela encontrou os dedos do zumbi, que se afastou dali, olhando incrédulo para a própria mão.
- Vai, vai, vai! – gritava Jonas, ao seu lado.
A chave deslizou em sua mão e ameaçou cair (tremendo, minha mão está tremendo!), mas ele conseguiu segurá-la e engatá-la na ignição. O carro ligou com um ronco leve, como um gato que reclama ao ser acordado.
Nisso, já havia várias pessoas ao redor do veículo. Algumas esmurravam, outras arranhavam o vidro. Não demoraria muito para que uma delas desse o golpe certo.
Um passarinho aproximou-se voando e soltou um longo pio. Apesar de tudo, quando mais tarde lhe perguntaram sobre o ocorrido, era a única coisa que Edgar conseguiria se lembrar. Os zumbis estavam lá fora, esmurrando e grasnando seu uivo uníssono de ódio e violência, mas a sua mente se focara apenas no passarinho, talvez como uma forma de fuga. De alguma forma, sua mão direita engatou a primeira marcha e o pé fez seu trabalho. O carro saiu roncando e escabeceando como um touro, atropelando pessoas em seu caminho, mas o professor não se lembrava de nada disso.
Jonas disse-lhe que a roda dianteira havia passado por cima de alguém, mas era como dizer para um bêbado o que ele fizera na noite anterior.
De alguma forma, o carro se livrou da horda e se afastou.
- Edgar? Edgar?- perguntou Jonas.
O professor pareceu despertar de um sonho, ou de um pesadelo:
- Sim?
- Como estamos de gasolina?
Edgar olhou o ponteiro. Tinham um terço de combustível.
- Você deixou a mangueira derramando. – disse o rapaz lá atrás.
- Quem é esse?
- Meu nome é Alan.
- Você nos colocou em apuros lá atrás.
- Eu sei. – respondeu o rapaz, encolhendo-se no banco. Mas eu não queria correr o risco de vocês irem embora.

 - Melhor não fazer isso de novo. – avisou Jonas. Ou da próxima vez você não estará dentro do carro... 

Sem comentários:

Enviar um comentário