segunda-feira, março 13, 2017

O Uivo da Górgona - parte 7


7
A multidão ficou ali por algum tempo, dividindo o que restava da mulher, depois voltou a se colocar em marcha, ao passo arrastado e àquele som irritante e monótono. Deixou atrás de si pouca coisa: um sapato, pedaços de roupas, tufos de cabelo, nada mais que isso.
O homem negro fez um gesto para Edgar, indicando que ficasse onde estava, e se levantou. Cauteloso, foi andando até a porta do mercado e olhou para fora.
- Foram embora! – disse, retornando.
- O que foi aquilo? Aquelas pessoas, aquelas pessoas comeram a mulher...
O outro franziu o cenho:
- Você não viu nada do que aconteceu esta noite?
- Eu dormi cedo. Estava cansado do trabalho. E meu quarto tem isolamento acústico.
- Talvez tenha sido sorte. Eu vi coisas piores que isso. Sabe-se lá o que essa garotinha viu! – disse, apontando para a menina ainda apertada ao peito de Edgar.
O outro estendeu-lhe a mão.
- As circunstâncias não são as melhores, mas meu nome é Jonas.
- Eu sou Edgar. O que é isso? O que está acontecendo? Que pessoas são aquelas?
O outro suspirou:

- Vou tentar começar do início. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.