domingo, abril 23, 2017

O uivo da górgona - parte 42


42
O grupo passou por uma porta fechada. Alan colocou a mão na fechadura, mas Roberto o impediu:
- Essa porta dá acesso ao porão, que estava em reforma quando começou tudo isso. Peço que não entrem aí. Há pregos e madeiras espalhadas e não tenho lâmpadas. Alguém pode se machucar.
- Desculpe-me. – disse Alan.
- Oh, não há nenhuma razão para se desculpar. – garantiu Roberto, com um sorriso. Vamos subir para o segundo andar? É lá que ficam os quartos. Não sei se tenho quartos para todo mundo. Espero que não se importem de ficar dois em um quarto.
- Você diz isso porque não sabe o que passamos. Depois de toda a confusão dos últimos dois dias eu dormiria até num canil.
Roberto riu e foi acompanhado pelo resto do grupo. Apenas Zu não riu.
                - Isso deve ter custado uma fortuna! – exclamou Alan.
Estavam num corredor no andar superior. Havia dormitórios dos dois lados e um no final, o maior deles. Os quartos eram amplos, tinha televisão com DVD e banheiros internos.
Roberto sorria.
- E o melhor é que todos os quartos têm isolamento acústico. A não ser que um de vocês resolva passear lá fora, estarão seguros aqui...
Zu chamou Edgar para um canto:
- Que razão um de nós teria para passear lá fora sozinho?
Edgar olhou-a, severo:
- Zulmira, você está passando dos limites.
Depois desceram para a cozinha. Havia uma geladeira e dois freezers. Um deles estava repleto de carne.
- Como tenho energia elétrica, assim que aconteceu a coisa, fui em mercados e peguei carne para estocar.
Zulmira e Jonas e aproximaram para ver.
- Cadáveres. – comentou Zu.
Roberto pareceu desconcertado:
- Cadáveres? Como...?
- Ela é vegetariana. – esclareceu Alan.

- Oh, sim. – suspirou Roberto. Tenho também muitas verduras. Não é por isso que vão passar fome... 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.