sábado, abril 29, 2017

O uivo da górgona - parte 47

47
Zu acordou atônita. Tinha tido um sonho estranho e aterrador. Se lhe perguntassem, não conseguiria se lembrar de seu conteúdo. Mas sabia que havia algo errado. Algo terrível estava acontecendo. Ao abrir os olhos, sentiu-se desorientada, sem saber onde estava e foi só grande esforço que se lembrou da mansão, de Roberto, de tudo que ocorrera até ali.
Olhou para o lado, preocupada. A galinha tinha se empoleirado em cima do criado mudo, mas agora não estava mais ali.
Zu levantou-se, esfregando os olhos. Ainda estava com sono, mas não conseguiria voltar a dormir.
Ao sair no corredor, ouviu apenas o silêncio. Nos outros quartos, os outros dormiam tranquilamente. Apenas do dono da casa parecia não estar dormindo. Apenas Roberto e Sofia.
A menina, pensou, a menina!
A primeira coisa que Zu percebeu ao descer, foi o som da televisão ligada.
Mas a sala estava vazia. Ela ficou lá, parada, indecisa.
Quando deu dois passos na direção ao banheiro social, pareceu vislumbrar algo, uma mancha negra na periferia de seu olho. Ao firmar a vista, percebeu do que se tratava: era a galinha, Pimpinela, entrando por uma porta.
Era exatamente a porta que Roberto ordenara que ninguém entrasse.

Resoluta, ela desafiou a ordem. E entrou. 

Sem comentários:

Enviar um comentário