quinta-feira, maio 11, 2017

O uivo da górgona - parte 51


51
- Sangue! – repetiu Zu, enquanto Jonas se aproximava da menina. – O psicopata cortou o pescoço dela!
A menina ainda respirava e os olhava, assustada. Parecia desfalecer.
Jonas apertava a ferida:
- Vamos precisar limpar isso e estancar o sangue. É provável que ele não tenha cortado a jugular, mas em todo caso talvez precisemos costurar. Precisamos achar uma farmácia.
- Onde vamos achar uma farmácia? Ainda mais sem carro? – indagou Alan.
- Sei onde tem uma farmácia aqui perto...
Edgar não continuou. Ficara em silêncio, apurando o ouvido:
- Estão ouvindo?
- Oh não! Eles estão vindo!

Roberto viu o portão se fechar e olhou satisfeito para a faca: estava com o sangue da menina.
Então entrou na casa e voltou para o quarto secreto. A mulher estava ali, os olhos enormes e assustados.
- Pensou que iria escapar? Pensou que alguém surgiria para salvá-la?
A mulher piscou os olhos e gemeu, único gesto de comunicação que lhe era permitido.

Roberto pegou a faca, ainda suja do sangue de Sofia e passou a ponta pelo corpo da mulher. O fio era agudo e deixava uma marca na pele, como um lápis vermelho. A mulher se contorcia, tentando em vão se livrar e agora gemia ainda mais alto, de desespero. Não que a dor fosse tão corte, ele sabia. Era o medo da faca, o medo do que ele ainda iria fazer com ela, a lembrança da dor de suas pernas e braços cortados. Ela desmaiara de dor cada em cada um dos membros que ele tirara. Roberto gostava disso, dessa tortura psicológica. Isso o deixava excitado e, excitado, ele se lembrou. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.