segunda-feira, junho 05, 2017

A piada mortal


Em 1988, Alan Moore já era um roteirista famoso. Já tinha transformado o título do Monstro do Pântano num dos mais premiados dos quadrinhos norte-americanos e feito Watchmen, que revolucionaria o gênero super-heróis. Mas nunca tinha trabalhado com outra estrela britânica: o desenhista Brian Bolland. Inicialmente, eles pensaram num encontro do Batman com o Juiz Dredd, personagem que tornou Bolland famoso. Quando essa proposta fracassou, Moore perguntou ao desenhista o que ele queria fazer. A resposta foi: “O Coringa, por favor!”.
Assim nasceu a graphic novel A piada mortal, uma história avassaladora, ganhadora de diversos prêmios, que serviu de base até para as versões cinematográficas do Batman.
A história começa com o Batman entrando na cela do Coringa, no Asilo Arkhan: “Olá, eu vim conversar. Estive pensando muito ultimamente sobre você e eu. Sobre o que vai acontecer conosco no fim. Vamos acabar matando um ao outro, não? Talvez você me mate. Talvez eu o mate. Talvez mais cedo. Talvez mais tarde. Eu só queria estar certo de ter tentado mudar as coisas entre nós”.
Esse começo dá o tom da história: trata-se de um conflito psicológico em que Batman e Coringa são dois lados da mesma moeda.
O vilão, solto da cadeia, bola um plano para provar a tese de que todo mundo pode ficar doido depois de um dia difícil. Assim, ele invade o apartamento do Comissário Gordon, atira em Bárbara Gordon (Batmoça) e seqüestra o Comissário.
Em um parque de diversões abandonado, ele tortura o policial, mostrando fotos de sua filha nua e alvejada. A narrativa é intermediada de flash backs que contam a origem do Coringa, um comediante fracasso que participa de um assalto a uma fábrica para sustentar a esposa grávida, mas a vê morrer num acidente doméstico. O trauma, junto com os elementos químicos da fábrica o transformam num dos maiores vilões do universo DC. No final, a HQ dá a entender que Batman é tão louco quanto o Coringa, embora o trauma de infância (a morte dos pais) o tenha levado a outros caminhos.

A piada mortal foi tão revolucionária que influenciaria tanto a versão cinematográfica de Tim Burton (1989) quanto a de Cristopher Nolan (2008). Tim Burton chegou a declarar: “Eu adorei A piada mortal. É o meu favorito. O primeiro gibi que gostei”. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.