segunda-feira, abril 25, 2011

História dos quadrinhos


Miracleman


Alan Moore é considerado hoje um dos mais revolucionários roteiristas de quadrinhos de todos os tempos, já tendo trabalhado com vários personagens importantes, de Superman a Batman. Mas antes de ficar famoso, ele usou sua genialidade para reformular um herói pouco conhecido fora da Inglaterra.
Marvelman surgiu como um simples plágio do Capitão Marvel, personagem de maior sucesso da Era de Ouro dos super-heróis. Quando o Capitão deixou de ser produzido por causa de um processo movido pela DC (que acusava a Fawcett de ter copiado o Superman), Leen Miller, que publicava o herói na Inglaterra, ficou, de repente, sem o seu gibi mais popular. Sua solução foi ligar para Mike Anglo, cujo estúdio fazia capas para a editora e perguntar se ele conseguiria fazer algo para substituir o Capitão. Eles não foram muito longe da ideia inicial: eliminaram a capa, que dava um efeito bonito, mas não era prática e esqueceram os vilões modernos, substituindo-os por vilões lendários em histórias simples. Além disso, o Capitão ganhou um penteado diferente e um novo nome, Marvelman.
O capitão Marvel júnior deixou de ser um jornaleiro deficiente de cabelos escuros para se tornar um mensageiro loiro perfeitamente saudável. A palavra que os transformava deixou de ser Shazan para se tornar Kimota (um anagrama de atomic) e o vilão principal transformou-se em Dr. Gargunza.  
            Alan Moore lia Marvelman na sua infância e, em 1981, numa entrevista à revista da Society of Strip Ilustrator, mencionou que gostaria que alguém trouxesse o herói de volta para que ele pudesse escrevê-lo. A entrevista provavelmente fez com Dez Skin o convidasse a escrever o personagem para a revista Warrior (mais tarde, quando a série foi publicada nos EUA, teve o nome mudado para Miracleman, para evitar problemas com a Marvel, razão pela qual usarei esse nome aqui).
            O que Moore fez com o personagem foi uma antecipação do que seria Watchmen. Ele partia de uma idéia simples: como seria o mundo se um super-herói realmente existisse? Como ele se comportaria de verdade? A idéia veio-lhe quando ele ainda era criança e lia as paródias do Super-Homem que Harvey Kurtzman publicava na revista Mad, que mostravam, por exemplo, o super-herói fazendo compras no supermercado. Mas Moore queria usar o recurso com efeito dramático, e não humorístico.
O resultado foi revolucionário. Nem mesmo as histórias de Stan Lee pareciam tão realistas: Moore mostrou Michael Moran, um jornalista de meia idade descobrindo que é a na verdade o herói Miracleman, resultado de uma experiência secreta do governo inglês.  Moore explicou as histórias bobinhas desenvolvidas por Mike Anglo como memórias falsas implantadas pelo cientista Gargunza, que os mantinha em animação suspensa esperando o momento de colocá-los em ação. Mas, quando a experiência ameaçou sair do controle, o governo resolveu eliminá-los com uma bomba atômica.
Miracleman sobreviveu, transformando-se em sua contrapartida humana, mas Kid Miracleman, outro sobrevivente, jamais deixou de ser o herói poderoso. Ao contrário, usou suas habilidades para construir um império econômico e político. A volta do antigo mentor ameaça seus planos. O confronto entre os dois foi um choque na época.
Kid Miracleman é um vilão absoluto, um homem que se desligou de sua humanidade e não dá valor algum à vida humana. O texto de Moore deixa claro que não se trata apenas de homens uniformizados trocando sopapos: “Por um momento de cristalino silêncio, a tempestade prende sua respiração. E tudo começa... (...) Eles são titãs, e nós jamais entenderemos o inferno alienígena que queima na fornalha de suas almas”.
Por um descuido, ele diz a palavra que o transforma de volta num garoto inocente, mas depois ele voltará e provocará milhares de mortes em Londres.
Além do aspecto narrativo, Miracleman foi revolucionário por trazer questões políticas para os quadrinhos, como, por exemplo, o perigo atômico: a primeira história mostra um protesto contra uma usina nuclear e em uma das histórias o herói encontra um garoto que esconde na floresta mantimentos para o caso de uma guerra atômica. 
Miracleman descobre que é uma espécie de deus e que todos os humanos podem alcançar essa divindade. Assim, ele destitui os governos da Terra, acaba com o dinheiro, desativa os arsenais nucleares e dá início a uma nova era em que não existe miséria ou fome. Até então, nunca um herói havia se aventurado a provocar mudanças políticas tão radicais no mundo, embora muitos deles tivessem poderes para tanto.
Depois da fase escrita por Alan Moore, a revista passou para as mãos de Neil Gaiman, que pegou um verdadeiro abacaxi: como escrever histórias em um mundo perfeito? Gaiman saiu-se bem em histórias intimistas, mostrado detalhes desse novo mundo, como, por exemplo, um grupo que acreditava que Kid Miracleman era na verdade o herói.
Infelizmente, o personagem foi comprado por Tod McFarlane, que prometeu repassar os direitos para Neil Gaiman em troca de roteiros para seu personagem Spaw. Como o acordo não foi respeitado, o herói virou objeto de uma ação judicial, e passou anos sem ser publicado. Recentemente, Miracleman foi comprado pela Marvel, que prometeu trazê-lo de volta, inclusive republicando as histórias de Moore e Gaiman.

1 comentário:

  1. du caralho! sempre tive curiosidade de ler o Miracleman, mas como to no início do mundo das hq's to dando prioridade à outras leituras hehe, mas um dia chego lá...

    ResponderEliminar