quarta-feira, maio 31, 2017

O uivo da górgona - parte 68


68
Jonas se virara para os zumbis, as facas em suas mãos erguidas, pronto para se defender.
- Eles estão entre nós e a escada!
Um dos zumbis urrou e correu na direção deles.
Veio descontrolado, pouco se importando com as facas que brilhavam à sua frente.
Jonas rasgou o ar com a faca e a ponta dela passou pelo nariz do zumbi, tirando um filete de sangue. Uma segunda faca passou, agora pela garganta e o filete se misturou ao jorro. O zumbi parou por um instante, como que surpreso, seus olhos mortos e indecisos. Então caiu.
- Corram! – gritou Jonas.
Edgar correu o mais que pôde. Não sabia para onde estava indo ou para que lado estavam os outros. A multidão atrás de si e seu urrar caótico eram a única coisa que em que pensava. Infelizmente havia poucos carros no estacionamento e se esconder parecia impossível.
As pernas já começavam a falhar e a respiração era forçada. O peso da idade já começava a cobrar seu preço. Mesmo assim, ele continuava correndo, olhando de tempos em tempos para trás. Na última vez que olhou, percebeu que a multidão se afastava cada vez mais. Os três haviam se separado, criado três objetivos e a grande massa não sabia como responder a isso. Sem as camadas mais evoluídas do cérebro, só lhes restara os comportamentos instintivos, de ação imediata. Agora, sem saber aonde ir, o grupo paralisara, indeciso.
Edgar escondera-se atrás de uma coluna e os observava. O grupo agora era maior, talvez umas vinte pessoas. Mas o que ganhara em número, perdera em iniciativa. Ficavam ali, mexendo-se, grunhindo, mas incapazes de decidir por um rumo.

Eles ainda estavam entre ele e a porta que dava acesso aos andares superiores. Se conseguisse passar por eles sem ser visto, talvez pudesse se salvar. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.