quinta-feira, janeiro 26, 2017

O terror no Brasil


O início da década de 50 nos EUA foi marcado pelo surgimento da editora EC. Contando com artistas do porte de AlI William­son, Wallace Wood e Krigstein, essa editora publicou várias re­vistas que revolucionaram o ter­ror e conquistaram a garotada. O sucesso dessas publicações se estendeu ao Brasil. Várias editoras pequenas publicavam e republi­cavam o material da EC, com sucesso. Entre 1952 e 1954, dez novas revistas de terror foram lançadas. A cada ano, uma nova editora entrava no mercado. Mas a fonte secou quando a EC Comics foi perseguida nos EUA e as revistas de terror proibidas por lá. Sem material inédi­to e com um público ávido por novas histórias do gênero, os edi­tores foram obrigados a contratar artistas nacionais. Começava a chamada fase de ouro da HQ bra­sileira e aquela que ficou conhecida como Primeira geração de quadrinistas nacionais.
No começo, para não afugentar os leitores, os editores pediam que os artistas assinassem com nome americanos, para dar a impressão de que as histórias eram feitas nos EUA, depois os autores foram aos poucos assinando seus nomes verdadeiros.
Editoras como a La Selva conseguiram grande êxito, mas ninguém se arriscava a lançar uma revista só de quadrinhos nacionais.
A virada, que realmente marcaria a era de ouro dos quadrinhos nacionais, aconteceu em 1959, quando Jaime Cortez e Miguel Penteado lançaram a editora Continental. A proposta era publicar unicamente artistas nacionais, sem pseudônimos. As revistas da Continental vinham com uma tarja verde-amarela com os dizeres: “Escri­ta e desenhada totalmente no Brasil”.
O interessante dessa fase é que boa parte dos seus principais ar­tistas eram estrangeiros. Eugênio Colonese era italiano, Rodolfo Zaíla era argentino, Jaime Cor­tez, português.
Além de lançar várias revistas de terror, todas com sucesso, a editora também foi primeira a editar as revistas de Maurício de Souza, com o gibi do Bidu (que na época era protagonista e depois viraria personagem secundário da Turma da Mônica).
Um erro de um funcionário da Junta Comercial fez com que a editora fosse obrigada a mudar de nome. É que já existia uma outra empresa chamada Continental e, pior, em processo de falência e cheia de credores. Para se livrar dos cobradores, o jeito foi mudar o nome para Outubro (uma homenagem à revolução russa). Depois, até esse nome teve de ser alterado, por que Victor Civita havia registrado todos os meses do ano.
Segundo Gonçalo Júnior, ¨O começo da outubro foi marcado pelo idealismo e pela descontração dos colaboradores, que dividiam seu tempo entre o trabalho nas revistas e a reestruturação do movimento de nacionalização dos quadrinhos – que ganharia força a partir de 1961¨.
É bem provável que esses ar­tistas viessem a transmitir suas experiências para uma nova ge­ração, contribuindo assim para a criação de um quadrinho genui­namente nacional. Infelizmente esse processo foi abortado pela intervenção da ditadura militar, que começou a perseguir as publi­cações nacionais de terror. Miguel Penteado chegou a ser chamado pela polícia para dar explicações e foi pressionado a deixar de publicar terror. A censura não poupava nem mesmo as histórias infantis. Exemplo disso é o banho de chuveiro do Cebolinha, que foi cortado pelos censores.
Com isso, as revistas foram sendo canceladas, ou perdendo qualidade e muitos dos melhores artistas migraram para outras áreas, como a publicidade ou a ilustração de livros didáticos.

Isso fez com que os novos quadrinistas tivessem pouco contato com a primeira geração e tivessem que começar tudo do zero. Isso certamente atrasou em muito a criação de uma linguagem nacional de quadrinhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.