sexta-feira, junho 16, 2017

O uivo da górgona - parte 72

72
A horda se juntara ao redor da porta e a pressionava irracionalmente. Do outro lado do vidro, Edgar, Jonas e Alan viram as dezenas de pessoas se contraindo contra o vidro, esmurrando-o, jogando-se contra ele.
- É blindex. – disse Edgar. Mas não sei quanto tempo vai aguentar. 
Jonas se virou para Alan e o empurrou.
- Está vendo o que fez, idiota? Agora todos nós estamos em risco!
Alan encarou-o, os olhos crispando, e devolveu o empurrão.
- Eu sou o idiota? Quem foi o gênio que teve a ideia de matar dezenas de zumbis?
- Eles poderiam subir!
- Porra, era só fechar a maldita porta com essa tranca de madeira! Eles nunca iam tentar subir.
- Isso você diz!
- Os dois parem! Melhor continuar o show lá dentro. Pouco me importa quem está com a razão, mas a briga de vocês está deixando os zumbis ainda mais descontrolados.
Quando entraram no saguão do primeira andar, os outros estavam esperando por eles. Sofia correu e abraçou Edgar, enquanto Dani fez o mesmo com Alan.
- Deu errado? – perguntou Zu.
- Sim, muito errado. – respondeu Jonas.
- Eu imaginei que daria. Mas os machões não iam me dar ouvidos...
Edgar pegou a menina nos braços:
- Escutem, Jonas tinha suas razões. De fato, os zumbis lá embaixo seriam sempre um perigo...
- E agora são um perigo ainda maior. – atalhou Alan.
- Não é hora de discutirmos se alguém estava certo ou errado. O que temos que decidir é o que fazer agora.
- Vamos ter que isolar o primeiro andar. – concluiu Jonas. Há o acesso das escadas e das escadas rolantes.
Edgar concordou:
- Sem dúvida. Podemos empilhar cadeiras e outras coisas, principalmente nas escadas. As escadas rolantes são menores e mais fáceis de defender. Podemos deixar uma proteção menor nelas, caso seja necessário descer ao primeiro andar.
Os outros concordaram com resmungos e em seguida começaram a procurar nas lojas ou corredores qualquer coisa que pudesse ser usada para bloquear as escadas normais: cadeiras, mesas, stands, qualquer coisa que pudesse ser carregada e colocada como obstáculo.
Passaram a manhã nisso. Já próximo à hora do almoço, Dani se aproximou da janela de vidro e espantou-se:
- Ei, vocês! Venham ver isso!
O grupo correu para a imensa janela de vidro e o que viram parecia surreal: um mendigo percorria a rua totalmente vazia, alheio a tudo. Vinha despreocupado, segurando um cajado, como se não houvesse qualquer tipo de risco.
- Precisamos chamar ele. – decidiu Zu.
Dani fez uma careta:
- Um mendigo?
- É um sobrevivente. Temos que chamá-lo.
Edgar coçou o queixo:
- Temos que pensar nisso. Roberto nos mostrou que não devemos nos aproximar de todos os sobreviventes. Alguns deles podem ser mais perigosos que os zumbis lá embaixo.

- Melhor decidirem logo. Ele está indo embora. – anunciou Alan, olhando pela janela. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.