quarta-feira, março 29, 2017

O uivo da górgona - parte 23


23
- A menina precisa das roupas e outras coisas pessoais. – traduziu Jonas.
- Você sabe me indicar onde fica sua casa?
A menina fez que sim com a cabeça, adivinhando o que ele falava pela leitura labial.
- Aquelas coisas ainda podem estar lá fora. – argumentou Jonas, a expressão preocupada.
- Vamos de carro.  E precisamos ver se isso foi em outros locais da cidade. Seria bom saber se há outras pessoas como nós...
- Há outra coisa que me preocupa. O caminhão de som pode voltar. Se nos encontrar no meio da rua...
- Você e a menina são imunes.
- Você não.
Edgar esperou o sinal e ligou o motor. Sabia que sons atraiam os zumbis e, embora seu carro fosse relativamente silencioso, não queria correr riscos. Jonas permanecia no portão, olhando para fora, atento a qualquer movimento.
- Venha!
O professor engatou a ré e saiu a toda. Surpreendeu-se com isso. Soltou tão rapidamente a embreagem que o carro quase morreu. Quando se viu na rua, endireitou o veículo, pronto para sair, enquanto Jonas fechava o portão.
No momento em que o outro entrou e fechou a porta, engatou a primeira e saiu. Foram inicialmente lentos, olhando ao redor. Não havia qualquer movimento na rua, parecia que até mesmo os cachorros e gatos haviam sumido. De tempos em tempos se deparavam com enormes manchas de sangue e restos de roupas nas ruas. Em certo ponto encontraram um carro virado e carbonizado.
Já tinha percorrido umas dez quadras quando Edgar deu um soco no volante a praguejou:
- Droga!
- O que foi dessa vez? – indagou Jonas.
- A gasolina está acabando. Eu devia ter enchido o tanque ontem, mas esqueci. Vamos ter que parar para abastecer.
- Isso pode ser perigoso.
- Muito. Mas não temos outra opção. Felizmente tem um posto ali na frente.
O posto estava lá, completamente deserto. Havia um carro ao lado de uma bomba e a mangueira havia sido deixada no tanque, ligada, de modo que a gasolina se espalhava pelo chão.

- Cuidado aí. Isso é uma bomba-relógio. Qualquer faísca pode provocar um incêndio. – advertiu Jonas. 

Sem comentários:

Enviar um comentário