quinta-feira, junho 15, 2017

O uivo da górgona - parte 71

71
Os minutos passavam e o local foi tomado por um silêncio assustador. Era melhor ouvir os zumbis, pensou Edgar, saber onde eles estavam e o que estavam fazendo. Naquele silêncio, era como se eles pudessem surgir a qualquer momento, de qualquer lugar.
Jonas tinha razão. Cada minuto que passavam ali aumentava o perigo. A porta era de vidro reforçado, mas Edgar não sabia quanto tempo aguentaria se fosse forçada por dezenas de pessoas enlouquecidas.
(Apareça, Alan, apareça!, pediu, mentalmente, o professor)
Então, como que respondendo às suas preces, o rapaz surgiu, correndo, por um corredor.
Mas, atrás dele, vinha uma horda de zumbis.
Alan tinha percebido os amigos atrás da porta de vidro e gritava para eles enquanto corria.
Do outro lado, Jonas e Edgar discutiam:
- Vamos abrir a porta!
- O risco é enorme. Os zumbis estão muito próximos dele.
- Temos que dar uma chance a ele! – gritou Edgar. Se você não abrir, eu abro.
- Está bem. Tomara que isso não esteja nos condenando a todos.

Quando o rapaz chegou à porta, ela estava aberta, esperando por ele. Mal entrou, ela foi trancada atrás dele. Mas talvez fosse tarde demais. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.