quinta-feira, março 23, 2017

Lembranças de Carnaval


Todo mundo tem agradáveis lembranças dos carnavais passados: 

- Ah aquele carnaval de 1930, em Petrópolis... Se não fosse a artrite, eu saía de madrinha da bateria este ano... 

- Aí teve aquela loira que... não, a loira foi depois da morena... ou será que era ruiva? Nunca bebi tanto em minha vida... 

É, carnaval sempre traz boas lembranças para todos e eu não seria exceção. Foi durante um carnaval que fui assaltado pela primeira vez...

Era Quarta-feira de cinzas e eu, por alguma razão desconhecida, resolvi devolver um livro na biblioteca. Eu sei, eu sei. Bibliotecas não funcionam na Quarta-feira de cinzas, mas como eu poderia saber? 

Diante da porta fechada, só me restou voltar para a parada e esperar o ônibus. Foi quando aconteceu o assalto. 

Se eu tivesse sido avisado, teria me vestido adequadamente para a situação, mas os dois ladrões não tiveram essa preocupação. Acho que não eram pessoas muito educadas. 

Um deles segurava uma faca e tinha olhos tão vermelhos que eu poderia jurar ter ele mais sangue na cabeça que no corpo todo. Isso, em tese, o faria mais inteligente, mas estou cada vez mais convencido que as teorias não funcionam na prática. Tanto que ele só conseguia dizer: 

- Passa, passa logo! 

- Passa o quê? A carteira? 

- Não, o negócio... 

Ele decididamente não sabia o que queria. Depois de um longo diálogo surrealista, consegui advinhar que ele cobiçava meu relógio. Fiquei indignado! Logo no meu primeiro assalto e o ladrão se interessava apenas por um relógio mixuruca? Resolvi não colaborar. 

Enquanto isso, o outro cavalheiro, armado com um revólver, rendia um taxista. 

- Me dá o relógio! 

- Não dou! 

- Vai dar sim! 

- Não mesmo! 

- Vocês podem apressar isso aí? – gritou o outro, já dentro do taxi. 

O assaltante resolveu apelar. Apontou a faca para o meu pescoço e perguntou: 

- Você quer morrer? 

Enquanto eu pensava no assunto, ele pegou o relógio e saiu correndo. 

Essa foi a primeira vez que fui assaltado. A segunda foi na véspera de natal. A terceira no ano novo... 

Tudo isso me levou a desenvolver um gosto especial por ficar em casa nos dias festivos... 

Sem comentários:

Enviar um comentário